Arquivo | Bebês RSS feed for this section

1 ano e 11 meses

13 fev

Como o tempo passa, daqui a dois dias Iuri completa um ano e 11 meses e daqui a um mês 2 anos, e eu posso falar com o maior orgulho que me sinto realizada e com a consciência tranqüila de ter sido uma ótima mãe ate o presente momento. Falo isso porque me orgulho do meu filho e de tudo o que ele faz porque de verdade ele é assim porque nós o ensinamos e o educamos assim.

Agora vou dar uma de mãe orgulhosa e babona e contar um pouco das peripécias dele.

Estou escrevendo esse post porque hoje ele me fez sentir que eu já não sou tão necessária quanto antes, você vai ler e entender o porquê…

Hoje estávamos almoçando, eu dando comida na boca dele (mesmo ele já sendo expert em comer sozinho eu ainda dou a comida na boca dele sempre que posso, acho que para me sentir útil… risos) e ele saiu andando colocou o pequeno bilau (pênis) para fora da cueca, parou na porta do box, fez xixi, guardou o bilau e sentou-se ao meu lado para continuar a comer, como se fosse um adulto. Eu me senti uma ameba, me bateu aquela sensação que meu filho cresceu e não precisa mais de mim. Eu sei que isso é mentira, vai demorar muito pra que isso aconteça, mas quem é mãe sabe e entende perfeitamente o que estou falando. Nossos filhos crescendo e se tornando independentes.

Iuri é assim, ele mesmo se vira, já abre a geladeira e pega suco, água ou leite, só pede quando esta fechado e temos que colocar no copo, porque se deixarmos ele toma no gargalo mesmo. Tai a foto que não me deixa mentir. Eu e marido fizemos um armário para calcinhas e cuecas (que fica para outro post) e vira e mexe lá esta o Iuri com uma peça na mão organizando na estante, ou arrumando o quarto depois de brincar, ou ajudando em alguma tarefa, ele já ajuda o pai a lavar louças. (por favor, não chamem o conselho tutelar!)

Em 15 anos de magistério e 6 de creche, mesmo tendo trabalhado com crianças de 2 anos para cima, fico perplexa com a esperteza do meu filho, eu sei que muitas mães vão dizer que seus filhos fazem a mesma coisa ou coisas mais avançadas, mas só eu sei o que eu omito aqui, ou deixo de contar para não me estender muito na babação.

Eu só sei que meu filho é o que há, lindo, esperto e EDUCADíSSIMO!!! Deixa-me contar essa parte também. Quase sempre vamos ao supermercado aqui perto comprar alguma coisinha, e sempre que Iuri vai com a gente ele “passa” na padaria pra comprar o pão dele. Na verdade as funcionárias do mercado dão pão pra todas as crianças que vão ate lá e o Iuri não podia ficar de fora, só que o meu filho é o único que beija, abraça e diz obrigado. Aqui em casa nós usamos as palavrinhas mágicas desde sempre, eu e o Paulo sempre usamos entre nos e com o Iuri não foi diferente, tudo é por favor, obrigado, com licença e desculpe, é de pequeno que se educa. E Iuri usa pra tudo, se ele quer suco ele pede “favô”, e depois que você dá “obiado”. Tem coisa mais linda????

A melhor da semana foi ele andar de moto eletrica sem bater… Fomos na casa de uns amigos e o Migas, pegou a sua moto eletrica para emprestar para o Iuri enquanto ele andava na sua super bike. Primeiro foram os dois juntos e depois o Iuri sozinho, claaaro que o Pai acompanhou o Iuri no trajeto, mas ele nem precisava mais ajudar a direcionar a moto pq Iuri ja fazia sozinho.

E por isso que falo que o cara so tem 1 ano e 11 meses e é craque em tudo, agora mesmo ta aqui do meu lado jogando capoeira, com as duas mãos no chão e a cabeça como apoio… vai vendo…

Ok, ok…  Vou parar por aqui, senão vou melecar o teclado todo…

bjks pra quem fica…

Educação é tudo!!

1 jan

Passei o ano passado sem vir muito por aqui, mas resolvi aparecer logo no primeiro dia pra falar de uma coisa importantíssima, Educação.

Como pedagoga e professora de Educação infantil sempre li e aprendi que se educa desde o nascimento. Muitas pessoas acham que isso não existe que, os bebes não entendem e não aprendem. Eu posso falar de carteirinha que se educa desde o nascimento.

Eu e o meu marido, Paulo, sempre fomos muito preocupados com isso. Sempre desejamos um filho levado, alegre, mas o que mais conversávamos era sobre como ter um filho educado. Adoramos crianças, mas aquelas que são mimadas e chatas ao extremo, simplesmente ignoraram por não gostarmos da situação. Sabemos que elas não são responsáveis por esse comportamento, que os causadores disso são os pais, mas infelizmente são as crianças que levam a culpa.

Nosso filho foi criado livre, bem no estilo faz o que quer, mas com doses de educação na hora certa e sendo repreendido quando necessário. Hoje ele é um menino levado, mas SUPER educado. Eu falo super porque com um ano e nove meses, das muitas palavras erradas que ele fala, já diz, por favor, e obrigada, e não só para os de casa. Outro dia, uma vizinha nossa, pegou a bola que caiu no chão e quando entregou na mão dele ele soltou um “GADO”. É super fofo. E melhor ainda é ver que as pessoas gostam dele por isso. Ele é super simpático, fala com todos na rua. Ama os lixeiros, cumprimenta o vizinho deficiente, que outro dia ficou ate emocionado com o tratamento que meu filho da a ele, enfim, ele trata como é tratado. Com respeito e com educação.

Então pensei muito antes de vir aqui escrever esse post porque acho mega importante dividir conhecimentos.

Eduque seu filho, repreenda se for necessário, converse muito e sempre use as palavras mágicas, eles entendem e reproduzem o que acontece ao redor deles. Se você for firme às suas palavras e ações você jamais precisara bater ou deixar de castigo. O diálogo e o exemplo, bem dado, são ótimas lições.

Outro dia procurando alguns textos sobre o assunto achei esse que é muito interessante:

Educar uma criança com limites, é educar com amor.

O estabelecimento de regras auxilia no aprendizado de como a criança deverá se comportar e reagir frente às diversas situações e deveres de sua vida, promovendo condições para se desenvolver e se organizar de maneira satisfatória. É um fator fundamental para a formação de adultos equilibrados e seguros.

Indisciplina com relação a horários, desorganização ou birra quando as vontades não são satisfeitas, são alguns dos comportamentos específicos de crianças que evidenciam a falta de limites. Por isso, a importância dos pais colocarem regras e normas de forma adequada desde o nascimento dos filhos, e durante todo o seu desenvolvimento.

A criança não compreende a relação de causa e efeito e os acessos de raiva são comuns, principalmente quando muito pequenas. Geralmente a criança não quer esperar, e quer fazer coisas que não consegue, o que acaba gerando frustrações. Cabe aos pais ajudar seus filhos a lidar com as frustrações do cotidiano, estabelecendo regras claras e consistentes.

Ao estabelecer limites, é importante que os pais adotem uma postura firme e coerente, agindo sempre da mesma forma frente às situações semelhantes. A criança ficará confusa se perceber que por exemplo, o pai diz uma coisa e age de forma exatamente contrária, e vale ressaltar que a criança aprenderá muito mais através de exemplos, do que com as palavras. Uma mãe que demonstra estar sempre atrasada, encontrará dificuldades em impor horários aos filhos, por exemplo.

Dizer “não” à criança quando necessário, é uma forma de mostrar que nem tudo é possível, e dizer-lhe o que deve e pode ou não fazer, é uma maneira de dar segurança e mostrar que você se importa com ela. Desta forma, vai aprendendo a lidar com as frustrações e não crescerá achando que tudo lhe é permitido.

Uma criança com dificuldade em obedecer a regras, em ser disciplinada, fica com o pensamento um pouco confuso, e tem dificuldade em desenvolver de forma adequada a sua capacidade de raciocínio lógico, mesmo que tenha um grande potencial. Inclusive, se a criança percebe que os pais são incapazes de controlá-la quando ela passa dos limites, cresce o sentimento de insegurança.

Para os pais, estabelecer limites aos filhos acaba sendo um aprendizado, pois muitas vezes o adulto vai se deparar com a sua própria dificuldade com relação aos limites. Portanto, a paciência e a calma são requisitos essenciais que os adultos devem ter ao impor limites. Muitas vezes, os pais terão que falar diversas vezes a mesma coisa, para que a criança compreenda a regra do jogo, e a linguagem utilizada deverá sempre ser a mais clara possível, para que ela possa entender.

Ao adotar medidas repreensivas, os pais devem levar em consideração que a punição deve ser proporcional ao tamanho da “arte” e a idade da criança.

Entre zero a três anos, a criança vivencia um processo de transformação, no sentido de tornar-se independente. Nessa fase, o desenvolvimento intelectual é diferente de uma criança mais velha. As regras precisam ser repetidas diversas vezes, pois sua memória não está completamente desenvolvida.

Crianças entre quatro e nove anos são menos dependentes dos pais, sua capacidade intelectual está mais desenvolvida e consegue compreender melhor as emoções que vivencia. Nessa fase é importante que os pais adotem uma atitude firme e justa na aplicação das regras, e medidas repreensivas devem ser aplicadas logo após a falta, para que a criança associe causa e efeito.

Muitos pais geralmente se preocupam em não frustrar seus filhos, e consideram que a forma mais adequada de educá-los é satisfazer absolutamente a todas as suas vontades. A falta de limites prejudica aos seus próprios filhos, trazendo conseqüências desastrosas para estes e para a própria família, e num sentido mais amplo para a sociedade. Inclusive quando chegar à difícil fase da adolescência, fase de grandes transformações físicas, emocionais e sociais.

Educar uma criança estabelecendo limites, é acima de tudo, oferecer segurança e uma base sólida na formação da personalidade. É educar com amor.

Sandra Gaspari

Psicóloga

www.interage.psc.br

Beijocas e um bom ano para todos vocês!!!

2º Encontro de Mães!

28 jul

Sábado dia 24 de julho de 2010, fizemos o nosso segundo encontro de mães e grávidas da Baixada Santista.

Neste encontro tivemos a presença da Enfermeira Fernanda Senra, especialista em parto e coordenadora de grupos de gestantes na Policlinica da Vila Mathias e ensinamos as gravidíssimas a shantalar sua própria barriga e como ser shantalada, além claro de shantala nos bebês, muito bate papo e um lanchinho delicioso…

Você é a nossa convidada para o próximo!!!!